Segunda-feira, 8 de Junho de 2009
Partido, Largada, Fugida

A minha ausência nestes últimos dois dias não foi voluntária. Foi forçada. O problema deste meio de partilha que é o blog é que dependemos de uma coisinha chamada internet, da qual estive privado no passado fim-de-semana. E ainda estou. Por isso, é uma honra para mim partilhar que vos escrevo de um café a dois minutos de minha casa, a contar os minutos da bateria do meu portátil, e a bebericar um café intragável, porque a internet wireless é grátis, mas tem de se consumir algo e eu nunca pensei que pedisse café e me trouxessem a água da retrete. São azares que podem acontecer a qualquer um.

A minha ideia hoje era comentar a vitória do PSD nas eleições europeias. Mas perguntei-me "Ganharam o quê?" e desisti da ideia. Na verdade, estas eleições europeias mais não são que uma luta pela Pole Position, tal e qual o que sucede na Fórmula 1: há sempre um treino oficial para ver quem começa a grande corrida no primeiro lugar da grelha de partida. E, tal como na Fórmula 1, o significado palpável deste primeiro lugar pouco mais é que moral. É um incentivo, um turbo extra no momento da arrancada. Mas o Michael Schumacher nunca precisou do primeiro lugar da grelha. Eu não estou a dizer que o Sócrates é o Schumacher, até porque o Schumacher não veste Armani, nem usa o Magalhães. Mas a situação pode vir a ser semelhante.

De resto, as eleições para o Parlamento Europeu foram positivas. Vamos ter menos elementos do PSD no país; o Miguel Portas e a namorada vão viver, como deputados, para a romântica Bruxelas; e o POUS conseguiu ter mais do que seis votos.

Os únicos que podem não estar completamente satisfeitos com o resultado são os socialistas, mas esses já vieram dizer que ainda são eles que mandam. Só para não haver dúvidas. Ainda são eles que têm computadores do tamanho de um Nokia 6230 e com nome de navegador.

O Big Brother da rosa, que censura coisas como mulheres nuas num arbitrariamente escolhido computador no Carnaval de Torres Vedras - onde havia ainda os imponentes testículos de Cristiano Ronaldo que passaram impunes - ainda anda aí.


tags:

por diogohoffbauermdias às 22:07
link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
|

Domingo, 31 de Maio de 2009
A idade só pesa sobre os cavalos, por isso trabalha como um

Eu já aqui tinha falado do aumento da esperança de vida como uma coisa perigosa, no contexto da preguiça humana. Mas há perigos económicos também. Com o aumento da esperança de vida, os trabalhadores com 65 anos que se reformarem em 2009 são penalizados em 1,32% das suas pensões. Para evitarem esta penalização, têm de trabalhar mais uns quantos meses, número dependendo, obviamente, do número de anos a descontar para a segurança social. No fundo, andamos a vida toda a trabalhar para pagar o nosso conforto na velhice. Mas, como vivemos mais, temos de trabalhar mais antes de podermos usufruir da nossa apetecível velhice. Velhice essa que deixa de ser tão apetecível, a partir do momento em que não trabalhamos o suficiente para a tornar confortável.

Eu sou um leigo a economia, e eu próprio fiquei confuso com este meu encadeamento de ideias, tanto que tive de ir tomar uma aspirina. Mas falo por mim: se alguém me tira os chinelos, a poltrona com suporte para os pés e a boina xadrez, está feito comigo.

Quando a minha geração chegar à idade da reforma, vamos ter de trabalhar aí até aos oitenta anos, isto se a coluna nos permitir, e a minha já não está muito bem e ainda não fiz dezanove. A isto,acrescentando uns meses para evitar prejuízos ao receber o dinheiro que nós fomos juntando, trabalhando. (Só nesta frase já há algo de paradoxal, mas façamos vista grossa.) Teremos, na altura, duas opções.

Uma delas é radical e kamikaze: recusarmos o trabalho. Simplesmente, não mexermos uma palha. Pessoalmente, isto agrada-me. Era o que eu estava a pensar fazer, fosse como fosse. Assim, a preguiça deixaria de ser preguiça. Passaria a ser, e passo a citar um qualquer comentador do futuro, «uma decisão radical e corajosa de uma geração que não quer ver o seu suor a pagar as regalias dos reizinhos no poder, para depois não ser recompensada com uma sossegada e merecida reforma.» Disfarçar a minha preguiça com decisões contestatárias parece um sonho de infância.

A outra opção é morrermos a trabalhar, antes de chegarmos à idade da reforma. Para nós, seria uma chatice. Mas de certeza que o governo vai encontrar destino para o nosso dinheiro, porque no futuro também haverá "onde" investir. Os egípcios acreditavam que, sepultando o morto com as suas riquezas, ele podia usufruir destas no outro mundo, noutra dimensão. Eu, pelo sim, pelo não, vou pedir para ser enterrado com o dinheiro que eu descontei para a segurança social. Pode ser que desta forma possa ter chinelos, a poltrona com suporte para os pés e a boina xadrez do outro lado da vida.



por diogohoffbauermdias às 10:43
link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
|

↘Mais sobre mim
↘Pesquisar neste blog
 
↘Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


↘Posts recentes

Partido, Largada, Fugida

A idade só pesa sobre os ...

↘Despensa

Junho 2009

Maio 2009

↘tags

todas as tags

↘Links
blogs SAPO
↘subscrever feeds