Domingo, 31 de Maio de 2009
A idade só pesa sobre os cavalos, por isso trabalha como um

Eu já aqui tinha falado do aumento da esperança de vida como uma coisa perigosa, no contexto da preguiça humana. Mas há perigos económicos também. Com o aumento da esperança de vida, os trabalhadores com 65 anos que se reformarem em 2009 são penalizados em 1,32% das suas pensões. Para evitarem esta penalização, têm de trabalhar mais uns quantos meses, número dependendo, obviamente, do número de anos a descontar para a segurança social. No fundo, andamos a vida toda a trabalhar para pagar o nosso conforto na velhice. Mas, como vivemos mais, temos de trabalhar mais antes de podermos usufruir da nossa apetecível velhice. Velhice essa que deixa de ser tão apetecível, a partir do momento em que não trabalhamos o suficiente para a tornar confortável.

Eu sou um leigo a economia, e eu próprio fiquei confuso com este meu encadeamento de ideias, tanto que tive de ir tomar uma aspirina. Mas falo por mim: se alguém me tira os chinelos, a poltrona com suporte para os pés e a boina xadrez, está feito comigo.

Quando a minha geração chegar à idade da reforma, vamos ter de trabalhar aí até aos oitenta anos, isto se a coluna nos permitir, e a minha já não está muito bem e ainda não fiz dezanove. A isto,acrescentando uns meses para evitar prejuízos ao receber o dinheiro que nós fomos juntando, trabalhando. (Só nesta frase já há algo de paradoxal, mas façamos vista grossa.) Teremos, na altura, duas opções.

Uma delas é radical e kamikaze: recusarmos o trabalho. Simplesmente, não mexermos uma palha. Pessoalmente, isto agrada-me. Era o que eu estava a pensar fazer, fosse como fosse. Assim, a preguiça deixaria de ser preguiça. Passaria a ser, e passo a citar um qualquer comentador do futuro, «uma decisão radical e corajosa de uma geração que não quer ver o seu suor a pagar as regalias dos reizinhos no poder, para depois não ser recompensada com uma sossegada e merecida reforma.» Disfarçar a minha preguiça com decisões contestatárias parece um sonho de infância.

A outra opção é morrermos a trabalhar, antes de chegarmos à idade da reforma. Para nós, seria uma chatice. Mas de certeza que o governo vai encontrar destino para o nosso dinheiro, porque no futuro também haverá "onde" investir. Os egípcios acreditavam que, sepultando o morto com as suas riquezas, ele podia usufruir destas no outro mundo, noutra dimensão. Eu, pelo sim, pelo não, vou pedir para ser enterrado com o dinheiro que eu descontei para a segurança social. Pode ser que desta forma possa ter chinelos, a poltrona com suporte para os pés e a boina xadrez do outro lado da vida.



por diogohoffbauermdias às 10:43
link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
|

3 comentários:
De Anónimo a 31 de Maio de 2009 às 13:31
Olá Diogo

Com este calor o meu raciocínio ficou em standby, tudo muito complicado para a minha idade. O que eu quero é que não me enterrem com um fato preto. Trabalhar? Esperem sentados, os políticos, claro!

Beijo
Isabel


De Leandro a 31 de Maio de 2009 às 16:28
É fodido. Andar a descontar 40 (agora 50!!) anos para a Segurança Social, para depois receber uma reforma miserável durante meia dúzia de anos, se tanto.

Deixa lá pá, quando chegarmos à velhice podemos dizer que na altura do Salazar é que se estava bem. Ou culpar as gerações anteriores.


De geocrusoe a 1 de Junho de 2009 às 10:22
quando chegares à reforma os teus descontos estão gastos, pois estes pagam as reformas de hoje e não as do futuro (espera-se que alguém pague nossa quando lá chegarmos). há sempre a hipótese de recusar pagar e viver calmamente à custa da segurança-social e conheço quem se dá bem com o sistema, não sei é como suportam os encargos do outro lado ;)


Comentar post

↘Mais sobre mim
↘Pesquisar neste blog
 
↘Junho 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


↘Posts recentes

Aviso

Partido, Largada, Fugida

Apertado

Reis da Selva

Saltou-lhe a tampa

A idade só pesa sobre os ...

Tal mãe, tal desconhecida

O Donut de Eros

Cabeça para cima, polegar...

Perfume de Muamba

Domingo pouco Desportivo

Os preguiçosos não se tor...

A saúde vem de autocarro ...

Ópios do povo, qual deles...

Um abraço neste Shopping ...

↘Despensa

Junho 2009

Maio 2009

↘tags

todas as tags

↘Links
blogs SAPO
↘subscrever feeds